Educação que liberta: um caminho para a ressocialização

29/10/2015

A aridez do espaço da Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, em Contagem, ganhou nova vida na última sexta-feira (23/10). Cultura e aprendizagem emprestaram diferentes tons ao ambiente por meio da realização do IV Show de Talentos da Escola Estadual Paulo Freire, localizada no interior do complexo prisional. Através dos trabalhos desenvolvidos por estudantes detentos, direção e professores da unidade querem mostrar que a ressocialização é possível quando mediada pela educação.

Com a temática “Décadas de 60 a 2015”, o evento consiste na culminância de um trabalho interdisciplinar que vem sendo desenvolvido desde o início do ano letivo. As apresentações envolveram todas as turmas da escola, que atualmente atende a cerca de 300 detentos nos mais variados níveis de aprendizagem, desde a alfabetização até o ensino médio. “Se chegamos até aqui foi por acreditar em algo maior, no potencial das pessoas e no poder da educação”, disse Valdicéia Pavione, diretora da escola.

IV Show de Talentos da Escola Estadual Paulo Freire apresenta trabalhos de alunos detentos. Foto: Andréia Lemos

Pinturas, cartazes, colagens, maquetes e obras de artesanato produzidas pelos alunos coloriram o ambiente sóbrio do auditório da Penitenciária. E as apresentações de dança, música e teatro que se seguiram no palco fizeram com que, por alguns instantes, a plateia se esquecesse do encarceramento e se concentrasse na viagem histórica por entre as décadas retratadas no Show de Talentos. “Iniciativas assim farão com que, no futuro, estas não sejam apenas pessoas que passaram por uma experiência ruim, como a prisão; mas sejam pessoas que tiveram boas vivências e, sobretudo, aprenderam e se desenvolveram, mesmo passando pela prisão”, salientou Judsônia Curte, diretora de ressocialização da Penitenciária.

Excepcionalmente para o Show de Talentos deste ano, alguns detentos ainda não classificados para acesso ao ambiente escolar da Nelson Hungria foram autorizados pela direção do presídio a assistirem às apresentações no auditório. Embora o ambiente educativo já tenha demonstrado seus efeitos positivos no processo de ressocialização, grande parte dos presos não atende às condições psicossociais e comportamentais necessárias à permissão para os estudos. Ainda assim, a autorização de comparecimento ao evento foi dada aos não estudantes como um incentivo, ou um convite, a uma nova atitude no sentido da reabilitação para o convívio em sociedade.

“Com o mundo do jeito que está, é preciso acreditar em alguma coisa, e hoje eu acredito na educação. É importante refletir sobre isso, e digo aos meus colegas que a nossa hora de mudar é agora”, relatou o estudante Douglas Webres Faria ao final de sua apresentação. O detento cursa o 1º ano do ensino médio e autorizou a divulgação do seu nome desde que também fosse citada nesta matéria a sua professora, Sônia de Souza, por quem nutre profunda admiração.
O reconhecimento de Douglas à dedicação de sua educadora não é um caso isolado na Escola Estadual Paulo Freire. De acordo com a direção, os detentos demonstram grande respeito aos professores da instituição. “Tudo o que foi apresentado durante o show foi muito bonito, mas o que realmente emociona é a luta que travamos nos bastidores, dia a dia, numa batalha para construir novas perspectivas, novos horizontes para essas pessoas”, comentou em lágrimas a professora Marili Rodrigues, após a dramatização da história de Nelson Mandela, apresentada pelo grupo de artes cênicas Sonhos e Teatro.

Alunos detentos demonstram respeito e admiração por professores da instituição. Foto: Andréia Lemos

Ressocialização

A pedagoga Larissa Camila, que atua no serviço de ressocialização da Nelson Hungria, acredita que o incentivo à aprendizagem desperta a busca do crescimento profissional e desenvolvimento humano. “Atividades como o estudo e o trabalho melhoram o relacionamento entre os presos, favorece o companheirismo, as boas condutas e a solidariedade”, avalia Larissa.

A diretora da escola olha para todas essas possibilidades de desenvolvimento humano com esperança e vontade de transformação. “Estamos colhendo bons frutos porque temos contado com o apoio integral da direção e coordenadores da Penitenciária. Todos têm acreditado e cooperado para o sucesso das ações da escola. O trabalho é intenso, mas muito gratificante”, conclui Valdicéia Pavione.

Trabalhos artísticos e artesanais produzidos pelos alunos coloriram o auditório da Penitenciária. Foto: Andréia Lemos

Município: Contagem / Superintendência Regional de Ensino Metropolitana B

Postado em: Uncategorized — admin @ 15:35

9 Comentários »

  1. “a educação é um ato de amore, portanto, um ato de coragem. Não pode temer o debate, na ánalise da realidade;não pode fugir à discussão criadora, sob pena de ser uma farça.
    Pulo Freire. Parabéns a esses maravilhosos colegas. Léia (professora em um sistema penitenciário).

    Comment by LÉIA GARCIA SOARES — 01/11/2015 @ 09:52

  2. amigos o trabalho e gratificante , que Deus continue abençoando grandemente cada um que tem batalhado para um bom desenvolvimento de cada aluno dentro do setor prisional …

    Comment by wenias soaes — 02/11/2015 @ 09:27

  3. Parabéns Educadores da E.E.Prof Paulo Freire. Também sou educadora e durante esta jornada, acredito ter aprendido mais do que ensinado.Atualmente estou diretora na E.E.Professora Mílcia de Oliveira Abrantes em Itambacuri. Fui também Conselheira Tutelar.Trabalho como este realizado por vcs me emociona.Durante esta trajetória, levo comigo dois legados:um aprendido com o meu pai: -”Fazer o bem sem olhar a quem e o mal a ninguém” e o outra com uma educadora e psicóloga que tive o privilégio de trabalhar com ela, hoje in memórian, Dra Elise Eugenia: _”Tudo enquanto respira tem jeito.”
    _ Acredite, muitas sementes plantadas por vcs frutificarao. Toda vez que penso em desistir por achar que nao tem jeito, lembro de Elise, fecho os olhos, respiro fundo e continuo.Mais uma fez parabéns!

    Comment by Amarilda Arcanjo da Rocha — 02/11/2015 @ 13:55

  4. É preciso dar oportnidade a quem não teve oportunidade. A Educação abre os horizontes desconhecidos. Faz enchergar o sol encoberto pelas núvens da ignorância, eleva nosso olhar para aqueles que embora nos tenham feito mal, retoma nossa esperança em poder acreditar que é possível mudar.

    Comment by josé domingos alves — 02/11/2015 @ 18:59

  5. Parabéns e muito sucesso que a educação continue proporcionando a evolução das pessoas.

    Comment by Nelson Gabriel Machado — 03/11/2015 @ 14:02

  6. Isso me emociona!

    Comment by Luciana — 03/11/2015 @ 15:31

  7. Todo ser humano merece uma (ou nova) oportunidade parabéns educadores da E.E.Prof Paulo Freire!

    Comment by Patricia F. Zamboni — 18/11/2015 @ 17:25

  8. Como já dizia São Vicente de Paulo, “quando vc luta e acredita em algo, todo o universo conspira a seu favor. Parabéns a Vadicéia Pavione e professores.

    Comment by Haroldo Fernando Cordeiro Carvalho — 20/11/2015 @ 13:32

  9. Parabéns pelo trabalho e dedicação dos educadores da E.E.Prof Paulo Freire. Continuem assim proporcionando novas oportunidades a quem precisa de apoio.

    Comment by Ademir — 09/01/2016 @ 16:03

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

SEE|
Rod. Pref. Amrico Gianetti, s/n - B.: Serra Verde - BH/MG - Prdio Minas /11 Andar - CEP 31630-900 - Tel.: (31) 3916-7000
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades