13 dicas de quadrinhos que ensinam enquanto você se diverte

26/07/2016

Férias é o momento de descansar dos estudos, relaxar, se divertir, certo? Mas quem disse que não dá pra fazer tudo isso e ainda aprender conteúdos importantes que podem te ajudar, inclusive, em avaliações como a do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)? A maioria das crianças e adolescentes gosta de ler revistas em quadrinhos, mas o que muitos não sabem é que esse formato mais lúdico e interativo de leitura também pode ser uma importante fonte de aprendizado. Os quadrinhos são um excelente jeito de aprender coisas novas de forma divertida, por isso utilizar esses materiais de forma pedagógica ajuda no rendimento dos jovens estudantes na escola e possibilita um melhor desempenho no processo de ensino e aprendizagem.

As histórias em quadrinhos (HQs) fazem parte do cotidiano de crianças e jovens e para muitos são a primeira aproximação com a leitura. As histórias da Turma da Mônica, por exemplo, acompanharam a infância de muitas pessoas e até hoje são um grande sucesso no Brasil. E não podemos falar de quadrinhos sem citar os famosos super-heróis da Marvel e da DC Comics, como Homem-Aranha, X-Men, Capitão América, Batman e Superman. O estilo de leitura atrai a atenção dos jovens pela linguagem contemporânea e a dinâmica dos desenhos com os diálogos e as narrações das histórias.

Muitas HQs, além de divertirem também ensinam diversos assuntos para os jovens, como história, geografia, atualidades, física, biologia e língua portuguesa. Os quadrinhos podem ajudar a aumentar a motivação dos estudantes para conteúdos estudados na escola, além de aguçar a curiosidade e o senso crítico dos leitores.

O jornalista Joe Sacco é autor de vários livros que chamamos de “jornalismo em quadrinhos”, em que ele apresenta várias histórias sobre o conflito entre israelenses e palestinos. Ele conta os relatos que escuta nas zonas de conflito, com imagens artísticas usando a linguagem das HQs. O canadense Guy Delisle viajou por vários países, como Israel, China, Coreia do Norte e Myanmar, e cada um desses locais inspirou uma HQ, nas quais o artista conta o dia a dia das pessoas, a cultura local e os seus desafios. São regiões pouco conhecidas pela população ocidental, por isso a leitura vale a muito a pena.

Até mesmo as tradicionais HQs de heróis podem trazer conteúdos relevantes para o leitor. Isso porque elas são inspiradas em situações reais para seu contexto histórico. Por exemplo, o Capitão América, que é um soldado que luta durante a Segunda Guerra Mundial contra os nazistas. Durante a Guerra Fria – disputa entre as superpotências Estados Unidos e a União Soviética – a Marvel Comics lançou várias histórias de super-heróis como os X-Men, o Hulk e o Quarteto Fantástico. Afinal, embora sejam fictícias e tenham sido criadas apenas para entretenimento, seus criadores se inspiraram na época que viviam.

O primeiro gibi do Quarteto Fantástico, de Stan Lee, foi publicado em novembro de 1961, mesma época em que os EUA e a URSS disputavam a corrida espacial. O próprio surgimento desse grupo de heróis faz alusão à Guerra Fria: no início da história, pouco antes de os quatro futuros heróis viajarem para o espaço, a narração menciona que os EUA estão numa “corrida espacial” com “uma potência estrangeira”. Além disso, o principal inimigo do Quarteto era o Doutor Destino, que governava literalmente com mãos de ferro um pequeno país do Leste Europeu, bem na região onde se concentravam os países do bloco socialista.

Aqui vamos listar algumas dicas de HQs que ensinam enquanto você se diverte. Boa leitura e boa diversão!

1 – Palestina: uma nação ocupada
Autor: Joe Sacco – Editora: Conrad
O jornalista Joe Sacco aborda nesta HQ o conflito Israel-Palestina. Ele viajou entre 1991 e 1992 ao Oriente Médio e coletou histórias de judeus e palestinos nas ruas, hospitais, escolas e campos de refugiados. Suas histórias também fazem um resgate da memória da localidade.

2 – Notas Sobre Gaza
Autor: Joe Sacco – Editora: Conrad
Nesta outra HQ, Joe Sacco fala do massacre de centenas de palestinos ocorrido em 1956, na Faixa de Gaza, pequeno território situado no sudoeste de Israel. Lá se refugiaram milhares de palestinos que foram expulsos de suas terras quando o estado de Israel foi criado, em 1948. Sacco viajou à região em 2002 e faz um comparativo com a atual situação.

3 – Uma história de Saravejo
Autor: Joe Sacco – Editora: Conrad
Sacco viajou à Europa em 2001 para reconstituir fatos e relatar o sangrento conflito étnico ocorrido após o desmembramento da Iugoslávia em diversos outros países, no começo da década de 1990. Na capital da Bósnia, Saravejo, o jornalista encontra o esforço da população para se recuperar da destruição da guerra de anos atrás, que deixou 200 mil mortos e 2,5 milhões de refugiados entre 1992 e 1995.

4 – Área de segurança: Gorazde
Autor: Joe Sacco – Editora: Conrad
Em sua primeira vez à Bósnia e em Saravejo, Sacco conta a história pouco conhecida da parte oriental do país, onde a ONU criara “áreas de segurança” para impedir que tropas sérvias continuassem a massacrar civis, locais em que uma verdadeira limpeza étnica acontecia. A morte de milhares de muçulmanos na Europa parecia ser invisível aos olhos da comunidade internacional. O jornalista contou a história de Gorazde, uma dessas áreas de segurança onde 2600 pessoas foram mortas.

5 – Shenzhen – Uma viagem à China
Autor: Guy Delise –  Editora: Zarabatana
Conta o período em que Delisle esteve em Shenzhen, uma cidade do sul da China, situada ao lado de Hong Kong, e isolada do resto do país por cercas elétricas e vigiada por guardas armados. Trabalhando para uma empresa européia de animação que terceiriza o trabalho para estúdios asiáticos, o autor narra sua experiência de vida no trabalho, na relação com as pessoas e também mostra os costumes do país. Shenzhen foi a primeira região da China a ser declarada Zona Econômica Especial: em poucas décadas, a pequena vila de pescadores se transformou em uma megalópole de 14 milhões de habitantes.

6 – Pyongyang – Uma viagem à Coréia do Norte
Autor: Guy Delise – Editora: Zarabatana
Nesse livro, Delisle faz um seu testemunho único da Coreia do Norte, dos habitantes, dos costumes, da situação de expatriado e do regime totalitário de Kim Jong-Il. Com a companhia constante e obrigatória de um guia e um tradutor, ele percorre a capital e arredores com seu olhar de artista, vendo além do que é cuidadosamente selecionado para ser apresentado aos raros visitantes estrangeiros. Uma visão ao mesmo tempo pessoal e informativa sobre a Coreia do Norte, onde os jornalistas não são bem-vindos.

7 – Crônicas Birmanesas
Autor: Guy Delise – Editora: Zarabatana
Delisle permaneceu por 14 meses em Myanmar, acompanhando sua mulher, que trabalha para a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF). Na obra ele narra sua estada no país, onde aos poucos descobriu a realidade política, social, cultural, religiosa e de saúde desta nação asiática governada por uma junta militar, e onde a economia é dominada por grandes grupos industriais internacionais. Revistas e jornais censurados, apagões diários em toda a cidade, regiões isoladas do resto do mundo pelos militares, internet monitorada pela censura, populações de vilas inteiras entregues à dependência de heroína e a líder de oposição, Aung San Suu Kyi, confinada em prisão domiciliar por mais de uma década.

8 – Crônicas de Jerusalém
Autor: Guy Delise – Editora: Zarabatana
Guy Delisle desta vez nos dá sua visão crítica e bem-humorada sobre o dia a dia dessa região de Israel, local sagrado para judeus, muçulmanos e cristãos e que está no centro do conflito israelense-palestino. O autor percorre este território com sua mulher e os dois filhos, narrando suas experiências cotidianas e observações sobre a política, a religião e o relacionamento humano.

9 – A Busca
Autores: Eric Heuvel, Lies Schippers e Ruud van der Rol – Editora Cia. das Letras
O cartunista Eric Heuvel, com o apoio do centro holandês Anne Frank, criou A Busca para contar a história do holocausto – o genocídio de milhões de judeus durante a 2ª Guerra Mundial – nas salas de aula alemãs. Neste quadrinho, a história é contada por Esther, que aos 16 anos é separada dos pais, enviados a um campo de concentração.

10 – Persépolis
Autor: Marjane Satrapi – Editora: Cia. das Letras
Essa HQ é a autobiografia de Marjane Satrapi, que aos 10 anos vivencia a Revolução Islâmica de 1979 no Irã e a derrubada da ditadura do xá. Com o país em clima de repressão e conservadorismo religioso, os pais de Marjane a mandam, no início da adolescência, para a Áustria, onde ela enfrentará a solidão e o choque cultural.

11 – Os 300 de Esparta
Autor: Frank Miller – Editora: Abril
Essa HQ descreve a Batalha de Termópilas, ocorrida em 480 a.C, quando 300 guerreiros espartanos comandados pelo Rei Leônidas lutaram até à morte para refrear o avanço do exército persa de Xerxes I, no território grego. O combate atingiu o status de lenda, face à enorme desproporção entre as forças espartanas e persas. A famosa batalha de Termópilas foi uma das várias travadas entre gregos e persas durante as chamadas Guerras Médicas, ou Guerras Greco-Persas ou Greco-Pérsicas. A principal razão dessas guerras foi o expansionismo persa. Durante a segunda metade do século 6 a.C. e o início do século 5 a.C., os persas conquistaram todo o território da Ásia Menor até o vale do rio Indo e também o Egito. Ao dominarem a Ásia Menor, os persas oprimiram as colônias gregas na região.

12 – Os Brasileiros
Autor: André Toral – Editora: Conrad
O livro é composto de sete histórias que falam sobre a relação entre os índios e não índios, como parte da formação do povo brasileiros. O conjunto de histórias vai desde os primeiros contatos dos indíos com os europeus, no século XVI, até os dias de hoje, com grupos indígenas convivendo cotidianamente com os não índios. Apesar de fictícias, as histórias são baseadas em um contexto real.

13 – Capitão América
Autor: Jack Kirby e Joe Simon – Editora: Marvel Comics
Em 1941, ano em que os Estados Unidos entrou oficialmente na Segunda Guerra Mundial, também foi o ano de lançamento do primeiro gibi do Capitão América. Nos quadrinhos norte-americanos, os super-heróis também lutavam contra as potências do Eixo (a aliança formada pela Alemanha nazista, a Itália fascista e o Japão). O Capitão América foi um dos primeiros a trazer histórias mais engajadas na luta contra o nazismo e inspirou inúmeras imitações. Criado pela dupla de desenhistas Jack Kirby e Joe Simon, o Capitão América tinha como seu principal inimigo o Caveira Vermelha, um supervilão nazista.

 

Postado em: Dicas — Andrea Hespanha @ 16:53

2 Comentários »

  1. [...] #Educaçãosefazcomconfiança Férias é o momento de descansar dos estudos, relaxar, se divertir, certo? Mas quem disse que não dá pra fazer tudo isso e ainda aprender conteúdos importantes que podem te ajudar, inclusive, em avaliações como a do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)? A maioria das crianças e adolescentes gosta de ler revistas em quadrinhos, mas o que muitos não sabem é que esse formato mais lúdico e interativo de leitura também pode ser uma importante fonte de aprendizado. Aqui vamos listar algumas dicas de HQs que ensinam enquanto você se diverte. Boa leitura e boa diversão! http://blog.educacao.mg.gov.br/?p=12769 [...]

    Pingback by #Educaçãosefazcomconfiança Férias é o momento de descansar dos estudos, relaxar… | Blog Pedagógico — 29/07/2016 @ 16:17

  2. Quadrinhos são muito práticos! Ótimas indicações!

    Comment by Felipe Dias — 25/08/2016 @ 14:26

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

SEE|
Rod. Pref. Amrico Gianetti, s/n - B.: Serra Verde - BH/MG - Prdio Minas /11 Andar - CEP 31630-900 - Tel.: (31) 3916-7000
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades