Como abordar a temática de música na aula de artes

28/03/2017

 

O Brasil apresenta uma rica diversidade cultural, étnica e musical, de matrizes europeia, africana, indígena, entre outras, que se encontram incrustadas nas práticas da cultura popular brasileira, tonalizando um mosaico multicolorido dessa diversidade. Tal riqueza precisa estar presente na escola e nos demais espaços socioeducativos e comunitários, como conhecimento cultural e experiência estética.

Sendo assim, é fundamental que os professores da educação básica incluam elementos musicais em suas práticas, incorporadas à formação de crianças e jovens, contribuindo para desenvolver a criatividade, a sensibilidade e a integração dos alunos. Desde 2012, o conteúdo Música foi inserido como obrigatório dentro da disciplina de Artes na rede estadual de ensino, assim como dispõe a Lei Federal 11.769/2008. É importante ressaltar que música não é uma disciplina exclusiva, mas um conteúdo que fica sob responsabilidade do professor de Artes trabalhar, entre outras linguagens e expressões artísticas, como dança, desenho e teatro.

Há várias metodologias para se trabalhar a música na escola, de forma lúdica e coletiva, utilizando jogos, brincadeiras de roda e confecção de instrumentos, por exemplo. As atividades devem abordar a música de forma precisa e criativa, aproveitando a grande variedade de linguagens, riqueza de elementos e formatos em que ela pode estar inserida, no som puro da voz e dos instrumentos, em trilhas sonoras e videoclipes, podendo ser trabalhada até mesmo para discutir questões sociais, étnicas e políticas. Como, por exemplo, problematizando questões citadas nas letras; interpretação do texto e análise linguística; questões estruturais, como versos, estrofes e rimas; ou por meio de dramatização e/ou reprodução por desenhos.

A música como alternativa didática aguça o interesse do aluno, que, muitas vezes, sem perceber, se encontra totalmente envolvido no processo, uma vez que o conjunto de palavras contidas no texto, ou no ritmo da música é aproveitável em distintas temáticas como ponto de partida na construção do ensino. É preciso que os alunos compreendam a importância da linguagem musical para a expressão humana.

Com a ajuda da tecnologia, hoje estão à disposição conteúdos digitais e aplicativos educacionais, em diversas áreas do conhecimento, que podem auxiliar os professores nas aplicações das aulas, com vídeos, animações, áudios, jogos, infográficos, simuladores e atividades interativas. Alguns artistas também já investem em programas educacionais, oferecendo conhecimentos sobre música e ciência para crianças. É o caso da cantora islandesa Björk, que lançou em 2011 o aplicativo Biophilia (gratuito para sistema Android), que ajuda no ensino de música de forma lúdica e massiva, além de apresentar ao usuário um universo cheio de fenômenos naturais.

A Secretaria de Estado de Educação (SEE) também disponibiliza gratuitamente a ferramenta on-line Portal Escola Interativa, plataforma virtual que busca dinamizar o processo de ensino e aprendizagem, auxiliando no planejamento e trabalho das competências, habilidades e conteúdos curriculares da Educação Básica nas diferentes áreas do conhecimento. Dentro da plataforma, os visitantes têm acesso a diversos conteúdos curriculares do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da Educação de Jovens e Adultos, Educação do Campo, Educação Especial, Educação Indígena, Educação Quilombola e Educação Infantil, apresentados nas mais diversas mídias.

Uma boa aula de música inclui atividades de audição, percepção das variações sonoras e de produção musical (cantar, tocar, compor sequências rítmicas, improvisar sobre temas, relacionar música e dança etc.). O Portal Escola Interativa pode ajudar o professor a planejar as suas aulas, com a aplicação de diversos conteúdos, atividades de audição ativa; apreciação de obras musicais de diferentes épocas e lugares; atividades de percepção; a percussão corporal e com instrumentos; a apresentação de instrumentos musicais e da escala musical; a dança e as atividades de produção sonora. É possível planejar de acordo com os objetivos que deseja alcançar com a turma. Uma dica é oferecer às crianças informações sobre a história da música no decorrer das aulas.

Além da sala de aula

Minas Gerais é pioneiro na formação em música e é o único estado do Brasil que conta com escolas de música na rede pública de ensino. São 12 Conservatórios Estaduais de Música (CEMs) mantidos pela SEE. Com o objetivo de atender a diversas regiões, o Estado conta com conservatórios nas cidades de Araguari, Ituiutaba, Uberaba e Uberlândia, no Triângulo Mineiro; em São João del-Rei, Juiz de Fora, Leopoldina e Visconde do Rio Banco, cidades da Zona da Mata; em Montes Claros, no Norte de Minas; Diamantina, no Vale do Jequitinhonha; e em Pouso Alegre e Varginha, cidades do Sul do Estado.

Os CEMs integram a rede de escolas estaduais e tem suas ações voltadas para a formação profissional de músicos em nível técnico, a educação musical e a difusão cultural. Atualmente, os conservatórios mineiros oferecem formação em teoria musical e canto ou instrumento, além de oficinas, palestras e recitais. Para atender a demanda de capacitação de professores de ensino regular e de requalificação de profissionais da música, as instituições também oferecem cursos livres de capacitação.

 

 

Postado em: Uncategorized — Andrea Hespanha @ 15:41

2 Comentários »

  1. É muito importante cultivar a arte da música na juventude, eu realmente gosto do que leio, parabéns.

    Comment by Andean Culture — 29/03/2017 @ 15:33

  2. Parabéns pelas iniciativas de incentivar a música no processo da aprendizagem; é realmente eficaz, para todas as idades. Trabalho com adolescentes, jovens e adultos na EJA. Com todos, as atividades com música F U N C I O N A msm!!

    Comment by Marília Faria Vitória — 04/04/2017 @ 14:59

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

SEE|
Rod. Pref. Amrico Gianetti, s/n - B.: Serra Verde - BH/MG - Prdio Minas /11 Andar - CEP 31630-900 - Tel.: (31) 3916-7000
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades