Ciência ganha destaque esta semana em escola do sul do Minas

26/08/2011

A Escola Estadual Coronel Antônio Domingos Ribeiro, em Bom Jesus da Penha, na região sul de Minas, dedica uma semana de seu calendário escolar para a ciência que trata das substâncias da natureza, dos elementos que a constituem, de suas características e suas aplicações: a Química. De 22 a 26 de agosto, cerca de 300 estudantes do 9º ano do ensino fundamental e do ensino médio apresentam diferentes trabalhos que tratam da disciplina. “ Os alunos são divididos em grupos e nos últimos horários apresentam para toda a comunidade escolar seus projetos”, é o que afirma a professora de Química, Mara Cristina Pires de Araújo.

Nesta semana, a Ciências ganha destaque na Escola Estadual Coronel Antônio Domingos Ribeiro. Foto: Arquivo da Escola

 A Semana de Química está em sua 4º edição e este ano serão apresentados temas como: drogas, Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), reciclagem, aborto e violência urbana. Ao longo da semana serão apresentados mais de 30 trabalhos. Os alunos apresentam seus trabalhos por meio de teatros, maquetes, apresentação de slides e execução de experiências, como a confecção de sabão em pó, sabonete e extração de óleo de plantas.

Como a semana é tradicional na escola, o planejamento dos trabalhos começa a ser feito pelos alunos no início do ano. Além de pesquisarem os temas abordados na internet e em livros, os estudantes contam com o auxílio dos professores na execução dos projetos. Para a professora de Química, Mara Cristina Pires de Araújo, a recompensa dos estudantes está no aprendizado adquirido. “Os alunos acabam aprendendo de forma diferenciada. Além disso, eles pegam a realidade deles e levam para dentro da escola. Já estamos na 4ª edição da semana e a cada ano os alunos se esforçam para pesquisar trabalhos diferentes e melhores”.

Fênomenos da Ciências são trabalhados pelos alunos na escola do sul de Minas. Foto: Arquivo da Escola

Para a estudante do 1º ano do ensino médio, Taís Ingridi da Silva Cabral, de 15 anos, que apresentou o trabalho sobre a ‘Química do amor e da paixão’ o evento ajuda os estudantes a aprender cada vez mais. “Com esse trabalho aprendi muito, nós falamos sobre as reações que as pessoas têm quando encontram a pessoa amada. Por trás dessas reações a Química está presente, isso porque quando as pessoas estão apaixonadas e se encontram os hormônios aumentam e elas sentem um frio na barriga, com a perna mole e o coração acelera”.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 11:14

Escola comemora 100 anos em grande estilo

19/08/2011

Os moradores do município de Conselheiro Lafaiete, na região central do Estado, tiveram essa semana a oportunidade de comemorar com os mais de 500 alunos da Escola Estadual Domingos Bebiano o centenário da instituição. A escola que foi fundada em 20 de agosto de 1911, realiza desde o início do ano atividades alusivas ao seu centenário, mas foi nesta semana que a instituição intensificou suas atividades. Além de participar de uma passeata, os estudantes irão assistir nesta sexta-feira uma missa de ação de graças na Igreja de Nossa Senhora da Conceição. A escola foi batizada com esse nome em homenagem ao português Domingos Alves de Bebiano, que foi quem doou o terreno para a construção da escola.

A abertura oficial do centenário da escola aconteceu em abril, quando foram lançados os slogans do centenário. As artes foram desenhadas pelos estudantes, que participaram de um concurso. “Os alunos desenharam os slogans e os professores votaram nos melhores”, afirma a diretora da Escola Estadual Domingos Bebiano, Teresinha de Sousa Costa. Os slogans foram desenhados em faixas e cartazes que estão espalhados por toda a instituição. Além dos alunos, a festa contou com a participação dos pais.

 O projeto ‘Declama Poesia’, que é desenvolvido há vários anos na instituição, também teve como foco o centenário da instituição. No projeto, os alunos declamam poesias que podem ser escritas por autores renomados ou pelos próprios alunos. Em algumas edições do projeto foram impressos livros com textos dos alunos. Na festa junina da escola, as apresentações também foram em homenagem aos 100 anos da instituição. Para estudante do 7º ano do ensino fundamental, Millena Barbosa Rodrigues, de 13 anos, aprender sobre a história da escola foi uma das atividades mais legais. “Aprendi muitas coisas e vi como a escola é importante. É muito bom estudar aqui. A escola nós oferece a oportunidade de desenvolver muitos projetos”.

Alunos fazem apresentação para comemorar lançamento do selo alusivo aos 100 anos da escola. Foto: Arquivo Escola

Alunos fazem apresentação para comemorar lançamento do selo alusivo aos 100 anos da escola. Foto: Arquivo Escola

Durante essa semana, os estudantes da E.E. Domingos Bebiano em parceria com alunos de outras escolas participaram da ‘Caminhada Centenária’ e passaram por ruas importantes da cidade. O trajeto foi encerrado com um abraço de União e de Paz, feito pelos alunos.  Depois de passar por diversas aulas que tiveram como foco o centenário da escola, os estudantes participaram de uma gincana sociocultural e filantrópica. Durante as atividades, os alunos recolheram alimentos não perecíveis e produtos de limpeza para doar para o Hospital São Camilo, a doação será feita na noite de hoje durante uma missa de ação de graças.

Para comemorar os 100 anos da escola foi lançado na última semana o selo alusivo ao centenário da instituição e após a cerimônia foi inaugurada a galeria de fotos dos diretores.

 A Escola Estadual Domingos Bebiano

A instituição atende a alunos dos ensinos fundamental e médio. Entre os projetos da Secretaria de Estado de Educação desenvolvido pela escola está o ‘Escola de Tempo Integral’, que oferece aos estudantes atividades no contraturno das aulas.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 18:24

Banda formada por alunos de escola estadual fazem a abertura de evento na região central do Estado

18/08/2011

Os alunos da Escola Estadual Nossa Senhora do Rosário, no município Alfredo Vasconcelos, região central do Estado, são apaixonados por música e é na escola que encontram o ingrediente perfeito para alimentar essa paixão. A instituição que participa do Programa Educacional de Atenção ao Jovem (Peas), oferece aos estudantes diversas atividades que têm como foco principal o incentivo as artes. Na instituição, os alunos participam de aulas de música, são os responsáveis pela produção de programas que são exibidos na rádio da escola e integram a banda ‘Acordes da Juventude’, grupo que será o responsável pela abertura de uma dos eventos mais importantes da cidade, o ‘Festival de Morango, Rosas e Flores’, que tem início nesta quinta-feira (18-08).

Entre os integrantes da ‘Acordes da Juventude’ está o coordenador do Peas, Erivelto Ferreira Teles, e mais sete alunos da escola. Segundo o coordenador, para dar oportunidade a todos os estudantes a composição da banda muda todos os anos. “Os jovens ficam muito entusiasmados com as atividades oferecidas na escola e para compor a banda temos que fazer uma seleção. Além de levar em consideração aspectos técnicos, durante a seleção também observamos o comportamento dos alunos na sala de aula e a interação com os colegas”, completa o professor.

O ponto forte da ‘Acordes da Juventude’ são músicas brasileiras. Entre os estilos mais tocados estão o sertanejo e o Pop Rock. A estudante do 2º ano do ensino médio, Rita de Cássia Fernandes de Oliveira, de 15 anos, é a cantora da banda e segundo ela participar da abertura de um evento tão importante quanto o ‘Festival de Morango, Rosas e Flores’ é uma grande oportunidade. “Essa é uma oportunidade muito boa. Vou ter a oportunidade de mostrar o que aprendo sobre música na escola para várias pessoas. É a primeira vez que nós apresentamos fora da escola”.

A estudante também participa de outros projetos que envolvem a música e que são desenvolvidos dentro da escola. No contraturno das aulas, cerca de 40 estudantes participam de aulas de violão, bateria, guitarra, entre outros. As aulas são ministradas pelos alunos que já dominam os instrumentos. Rita dá aulas de canto para seus colegas.

Banda 'Acordes da Juventude' fará a abertura de evento na região central do Estado. Foto: Arquivo Escola

Banda 'Acordes da Juventude' fará a abertura de evento na região central do Estado. Foto: Arquivo Escola

Para tornar o recreio mais descontraído, a E.E. Nossa Senhora do Rosário tem uma rádio que é produzida pelos estudantes que participam do Peas. Eles são os responsáveis por montar a programação e fazer os programas de entrevista, de piadas, entre outros. Já a seleção das músicas conta com a participação dos alunos de toda a escola. “Eles colocam as músicas que querem que ouvir em uma caixinha e ai na semana seguinte nós atendemos aos pedidos”, conclui o coordenador do Peas na escola. Ainda segundo Erivelto Ferreira Teles a expectativa é que no próximo ano a escola possa oferecer oficinas de teatro.

O estudante do 3º ano do ensino médio, José Fellipe da Silva Araújo, de 17 anos, que toca violão e guitarra na banda ‘Acordes da Juventude’, ressalta o que o Peas trouxe de positiva para sua vida. “Participar do Programa não me ensinou apenas a tocar, mas também mudou meu pensamento em relação a sociedade e as pessoas. Me tornei uma pessoa mais positiva”.

Festival de Morango, Rosas e Flores…

O festival é uma das festas mais tradicionais da cidade. O evento acontece há mais de dez anos e conta com a participação de artistas nacionalmente conhecidos. No festival são apresentados os produtos típicos da região. A cidade é a segunda maior produtora de morango do Estado.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 19:09

Literatura sai das salas de aulas e invade as casas dos estudantes de escola de Muriaé

17/08/2011

A partir deste semestre, no trajeto de volta para a casa, Beatriz Almeida Pereira, de 10 anos, vai levar nas mãos, o estampado gosto pela leitura. No chamado ‘Embornal Mágico’, uma espécie de bolsa enfeitada para o transporte de livros, ela carrega clássicos da literatura infantil. “Eu gosto de ler e minha mãe disse pra eu continuar assim. Agora levo o livro para a casa e vou ler junto com minha família”, explica a estudante do 5º ano do ensino fundamental.

Com embornais, estudantes vão para a casa e levam a leitura junto. Foto: Arquivo da Escola

O ‘Embornal Mágico’ é uma das ações voltadas para o estímulo da leitura e a socialização com família. O projeto é desenvolvido pela Escola Estadual Coronel Francisco Gomes Campos, em Muriaé, na Zona da Mata. Para que o trabalho possa atingir a estudantes dos ensinos fundamental e médio, a escola fez uma parceria com uma mineradora da região e confeccionou 255 embornais, além da aquisição dos livros de literatura e de ensino da gramática e cálculos matemáticos de forma lúdica. Em cada um deles, o estudante pode levar um livro para a casa, com o compromisso de fazer a leitura e devolvê-lo nas condições em que recebeu. “Além de trabalhar o interesse pela leitura, nós conseguimos estimular a responsabilidade e a conservação entre os estudantes”, explica a professora de Língua Portuguesa e coordenadora do projeto na escola, Maria Cristina Giovani Oliveira.

O projeto também agradou ao estudante Guinaldo José Mendes, do 3º ano do ensino médio. Ele admite que não gosta muito de ler, mas que o projeto o tem deixado empolgado. “Para quem gosta de ler é um estímulo, para aqueles que não são fãs, deixa a leitura um pouco mais atrativa. Com o embornal, o livro fica protegido e facilita o transporte do estudante. Em qualquer folga em casa dá para pegar o livro e ler”, sugere o aluno.

Com estilos diferentes, embornais atendem a estudantes de todos os níveis de ensino. Foto: Arquivo da Escola

Os embornais são caracterizados de acordo com a faixa etária dos estudantes. Para os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental é possível perceber ilustrações de personagens de histórias infantis nas ‘bolsas’ que levam para a casa. Nos embornais voltados para os alunos dos anos finais e do ensino médio, a caracterização é feita pelo próprio estudante. “No embornal que eu peguei para decorar resolvi ilustrar as capas de livros clássicos da literatura”, explica a aluna do 2º ano do ensino médio, Luísa Ciuldin Lopes.

Para organizar a dinâmica de empréstimo e devolução dos livros e embornais, a escola criou um caderno de controle para todas as turmas. Em cada página é registrado o nome de um estudante e os empréstimos e devoluções que ele fez. O tempo de permanência com o livro varia de acordo com o tamanho da obra.

No projeto desenvolvido, a escola não vê a leitura como um ato isolado. “A escola dos livros adotados pela escola para fazer parte do projeto foi feita em conjunto com os professores. Nós tínhamos uma escassez de clássicos literários, então priorizamos estes livros no momento das aquisições”, justifica a diretora, Maria das Graças Antunes.

Projeto dos embornais teve início este ano. Foto: Arquivo da Escola

Entre os alunos do ensino médio, por exemplo, obras clássicas de escritores como Machado de Assim, Joaquim Manuel de Macedo e José de Alencar fazem parte do acervo. “Entre os clássicos que lemos estão Dom Casmurro, Iracema e A Moreninha. São livros que geralmente são cobrados nas provas do Enem”, avalia a estudante Luísa Ciuldin Lopes.

O projeto que teve início neste semestre é uma alternativa para o estímulo à leitura entre os alunos da escola e não tem data para acabar. “Nós começamos este semestre, mas esperamos que seja infinito. Investir na leitura é sempre uma boa ideia”, completa a diretora.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 14:01

Jemg: Uma oportunidade para aprender

14/08/2011

Às vezes, o resultado não é o esperado. A tão sonhada vitória não vem e o que fica é a tristeza com a derrota. Os Jogos Escolares de Minas Gerais terminaram neste sábado (13-08), mas para os educadores e profissionais do esporte que acompanharam seus alunos/atletas, durante os cinco dias de competição, na hora de fazer um balanço, os estudantes devem observar além do que o placar apresenta. “Eu acho que a gente tem que encarar uma competição relacionada à vida. A perda muitas vezes é um ganho muito maior na nossa vida, porque mais na frente ela vai somar todas as nossas experiências e a partir dessas experiências que a gente vai ver o que é melhor e o que não é melhor para as nossas escolhas. A gente tem que errar para poder evoluir, para poder melhorar. Até para deixar de achar que nós temos as condições de ganhar tudo na vida, o que não é verdade”, explica a coordenadora dos Jogos em Poços de Caldas, Maria Aparecida Costa de Andrade.

Em uma competição todos podem sair ganhando. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

Ao término de um jogo, o que surge é a oportunidade de avaliar a trajetória do atleta, ou da equipe. “Acho que tem duas posturas. Se a equipe é uma equipe que treina certinha, é disciplinada, responsável, você tem que falar que aconteceu e porque a outra equipe foi melhor. Agora, se a equipe não tem aquela disciplina, aquela responsabilidade a derrota ocorreu, porque ela não treinou para chegar. Não treinou para ser campeã. Treinou para participar”, avalia a professora e treinadora de basquete há 35 anos, Silvia Amorim de Carvalho.

Durante os dias de competição, quem acompanhou os jogos pode ver um misto de modalidades esportiva nas quadras, piscinas, pistas e tatames. Foram no Futsal, Handebol, Voleibol, Basquetebol, Atletismo, Judô, Taekwon-do, Tênis de Mesa, Xadrez, Peteca e Ginástica Rítmica que estudantes tiveram a oportunidade de mostrar o potencial no esporte. “Eu acho que esses alunos devem se considerar todos vitoriosos, porque enquanto outros estão assistindo a uma televisão, navegando na internet, os alunos atletas estão cuidando do seu físico, de sua educação geral enquanto cidadão”, completa a professora e treinadora de basquete.

O desenvolvimento do espírito de equipe é um dos ensinamentos do esporte. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

Dessa forma é possível entender que todos podem sair ganhando em uma competição. “Os Jogos Escolares trabalham a questão da solidariedade, da união, de passar dificuldades e derrotas juntos. É um processo educativo. É a vida, porque na verdade, como dizia Shakespeare, ‘nós somos atores num palco’. Estar fazendo os Jemg é você estar em um palco. Você vai representar alguma coisa, vai estar fazendo alguma modalidade, com o que você tem de melhor”, conclui explica a coordenadora dos Jogos em Poços de Caldas.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 14:38

Música em comemoração ao Dia do Estudante

12/08/2011

Um dia após as comemorações do Dia do Estudante, que foi celebrado na última quinta-feira, os alunos da Escola Estadual Pedro II, em Belo Horizonte, foram presenteados com uma apresentação de música instrumental realizada pela banda do professor de música da instituição, Cláudio Kiari. No evento os alunos puderam ouvir diferentes estilos musicais como Rock instrumental e Fusion, que é uma fusão de Jazz com outros estilos, dentre outros. O professor destaca a importância da música para a formação dos estudantes. “Eu encaro a música na escola como um agente humanizador. Quero que os meus alunos levem consigo a vivência musical. Através da música abrimos canais de sensibilização, trabalhando valores humanos de forma mais eficiente”.

Alunos assistem a apresentação musical. Foto: Arquivo escola

Alunos assistem a apresentação musical. Foto: Arquivo escola

Durante a apresentação o estudante do 2º ano do ensino médio, João Paulo Ferreira Alves Barbosa, de 16 anos, teve a oportunidade de mostrar um pouco de sua arte para os amigos. O estudante que toca guitarra fez uma apresentação de Blues junto com Cláudio Kiari. Para João Paulo, a oportunidade foi excelente. “Eu achei sensacional poder tocar para os meus amigos junto com uma pessoa que entende muito de música, como o Cláudio. Ter experiências com música na escola é muito bom, porque é uma alternativa cultural”.

A Escola Estadual Pedro II oferece, no contraturno das aulas, uma oficina de música para os estudantes. Segundo o professor Cláudio Kiari, que dá aula para os estudantes do ensino fundamental, durante as aulas os alunos têm a oportunidade de criar peças instrumentais pequenas, aprender sobre harmonia, melodia e acompanhamento rítmico.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 18:53

Jemg: Na velocidade máxima

Na manhã desta sexta-feira (12-08), a rede estadual conquistou mais uma medalha nos Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg). Desta vez foi no atletismo. A aluna Dayane Perla de Oliveira Firmino, da Escola Estadual Doutor Norberto Custódio, em Cataguases, na Zona da Mata conquistou o bronze nos 100 metros- módulo II (15 a 16 anos). Com o tempo de 13,94 segundos, a estudante foi a representante das escolas estaduais no pódio. “É difícil ganhar, mas tenho conseguido. Na etapa regional, em Cataguases, eu conquistei duas medalhas de ouro e aqui uma de bronze. Estou muito feliz”, ressalta a estudante.

Aluna da rede estadual (rosa) conquista medalha de bronze no atletismo. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

Aluna da rede estadual (rosa) conquista medalha de bronze no atletismo. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

O professor de Dayane, conta que descobriu o talento da adolescente de 15 anos por acaso. “Na escola, os alunos já têm essa cultura do atletismo. Estava treinando com os meninos e Dayane participou desse treinamento. Quando vi, ela estava correndo mais rápido que os meninos”, lembra o professor de Educação Física, Paulo Roberto da Silva. Além de Dayane, outras 15 alunas da rede estadual participaram desta categoria do atletismo.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 14:29

Jemg Equipe de vôlei da Escola Estadual Doutor Duarte Pimentel de Ulhoa busca o bi nos Jemg

11/08/2011

Apesar da pouca idade o time de voleibol da Escola Estatual Doutor Duarte Pimentel Ulhoa, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, já coleciona medalhas e posição importante entre as competições esportivas estudantis. Classificados para a etapa estadual dos Jogos escolares de Minas Gerais (Jemg), o time busca repetir o bom desempenho na competição do ano passado, quando foram os campeões do voleibol no módulo I (12 a 14 anos) e campeões nas Olimpíadas Escolares, também módulo I, competição esta que é nacional. “Com esse trabalho feito em 2010, nós saímos da primeira divisão, para a divisão especial nas Olimpíadas”, comenta orgulhoso o professor de Educação Física e Técnico da equipe, Deivid Schneider Rotta.

 Discussões nos intervalos em busca de táticas para o bi. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

Para manter o bom desempenho nas competições, o time não perde tempo e treina muito. A escola possui uma parceria com um clube da cidade e utiliza as instalações do local para fazer os treinamentos com os atletas. As atividades ocorrem sempre no contraturno das aulas e são realizadas nesse clube desde 2006. “Nossa escola já possui a cultura do vôlei entre os alunos. Para o ano que vem temos outros estudantes querendo participar”, completa o professor.

Todo início de ano, a escola realiza uma seletiva entre os estudantes para saber quais farão parte do time. Da atual equipe, Gladstone Magalhães, de 14 anos, é o único atleta do time campeão de 2010. No alto de seus dois metros, o estudante também sonha grande e ve nos Jogos Escolares de Minas Gerais o primeiro passo para uma carreira promissora. “Estou no time há quatro anos e sonho em seguir carreira, ser um atleta profissional em um time de vôlei”, deseja o estudante.

Os cumprimentos antecedem as partipas rumo ao bi. Foto: Hudson Menezes ACS SEE

Enquanto o momento não chega, o foco deve ser a concentração nos jogos, sempre visando os bons resultados. “Nós treinamos bastante. Temos que chegar aqui e apresentar o que sabemos fazer que é jogar voleibol”, comenta Douglas Duarte que esta no time há um ano.

Para quem buscar ser bicampeão, o time começou bem, são três vitórias em três partidas. Para conquistarem o título eles precisam ganhar os próximos dois jogos da competição que vai até o próximo sábado (13-08).

Os Jogos Escolares de Minas Gerais são uma parceria entre a Secretaria de Estado de Educação e a Secretaria de Estado de Esportes e da Juventude. A última fase da competição está sendo realizada em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 18:37

Estudantes promovem campanha de doação de sangue no sul do Estado

10/08/2011

Os alunos da Escola Estadual Doutor Joaquim Vilela, no município de Boa Esperança, na região sul de Minas, celebraram a semana em que se comemora o Dia do Estudante promovendo ações em prol da sociedade. Por meio de uma campanha de doação de sangue os jovens protagonistas, que participam do Programa Educacional de Atenção ao Jovem (Peas), visitaram quatro escolas estaduais da cidade e promoveram um Pit-stop na praça central para conscientizar as pessoas da importância da doação. “É importante que as pessoas aprendam que uma mão lava a outra. Hoje ela pode não estar precisando da doação, mas amanhã pode ser que precise. Por isso, é melhor começar ajudando hoje”, afirma a estudante do 2º ano do ensino médio, Bruna Miranda Lima, de 16 anos. 

As ações tiveram início na segunda-feira (08-08), quando os cerca de 30 estudantes do Peas assistiram a uma palestra com o bioquímico que foi o diretor do primeiro banco de sangue da cidade. Para a estudante do 2º ano do ensino médio, Camila Rosa, de 16 anos, a palestra foi muito esclarecedora. “A palestra foi muito boa. Ele falou muitas coisas que nós ainda não sabíamos. Eu ainda não posso doar, mas estou passando as informações para todos os meus familiares”. Já terça-feira (09-08) foi o dia do repasse do conhecimento adquirido na palestra. Os estudantes se dividiram em grupos e cada um ficou responsável por dar uma ‘palestra’ para os colegas das escolas estaduais do município, ação que trouxe muita satisfação para os estudantes. “É muito bom poder passar as informações para os nossos colegas. Na visita respondi a muitas dúvidas e acho que contribui bastante”, conclui Camila.

Estudantes fazem fila para participar da tipagem sanguínea. Foto. Arquivo escola

Estudantes fazem fila para participar da tipagem sanguínea. Foto. Arquivo escola

 Por meio de uma parceria entre a escola e a Secretaria Municipal de Saúde de Boa Esperança, foi feita, no início da manhã desta quarta-feira (10-08), a tipagem sanguínea dos alunos, professores e demais funcionários da instituição. Mas o auge da mobilização aconteceu na praça centra da cidade. “Foi muito bacana, nós praticamente paramos a cidade. Levamos faixas e um carro de som, que tocava músicas alusivas a campanha. Além disso, colamos adesivos nos carros que diziam: ‘Peas Juventude promove: campanha de incentivo a doação de sangue’. Mas o melhor é que muitas pessoas falaram que querem se tornar doadores”,ressalta a coordenadora do Peas da escola, Marli Chaves Moraes da Silva. Ainda segundo a docente, a escola será a responsável por fazer uma lista dos possíveis doadores e o Hemominas de Varginha irá abrir em um sábado para recebê-los.  

Para a coordenadora do Peas da escola, as ações são realizadas com o objetivo de despertar o espírito de solidariedade nos estudantes. “O principal objetivo do Peas é despertar nos alunos o espírito de solidariedade, já que pretendemos desenvolver na escola o projeto escola solidária, que vai tornar a instituição um local mais acolhedor melhorando cada vez mais o relacionamento com a comunidade escolar e com os alunos”. 

Com a ajuda de faixas, estudantes fazem mobilização na praça da cidade. Foto: Arquivo escola

Com a ajuda de faixas, estudantes fazem mobilização na praça da cidade. Foto: Arquivo escola

 

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 17:46

Jemg: De estudantes para estudantes

09/08/2011

De estudantes para estudantes
Durantes os dias de realização dos Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg), as mais de 190 pessoas alojadas, entre atletas, comissão técnica e acompanhantes, na Escola Estadual Mercedes Nery Machado, em Juiz de Fora, Zona da Mata, vão ter a oportunidade de conhecer um pouco da cidade anfitriã da fase estadual da competição, além de escutarem música e desfrutar de outros momentos de descontração. Esse trabalho foi elaborado pelos alunos da escola dentro de um projeto voltado para os Jogos Escolares. “Nós mostramos a nossa escola, falamos um pouco da cidade e o que pode ser encontrado aqui. Também fizemos cartazes de boas vindas que estão espalhados por todo o prédio”, explica a estudante Ana Paula de Souza Motta, de 14 anos.
Porém, a atenção aos atletas turistas não param por aí. Os dotes artísticos dos alunos da escola que serve de alojamento também serão apresentados para os atletas durante a semana. Entre as atrações culturais está a apresentação de violão de Rafael Gomes Martins de 14 anos. “Já toco violão a uns três anos e costumo me apresentar com minha banda de rock no festival de talentos da escola que acontece todos os anos. Agora é um público diferentes. São alunos de outras cidades, mas não fico com muita vergonha não, a não ser quando o público é muito grande”, admite o adolescente.
Durante o dia de realização dos jogos, os alunos da escola não terão aulas, mas receberam uma pesquisa para ser feita durante a semana das competições. “Pedimos que eles pesquisassem sobre as modalidades esportivas presentes nos Jemg. Na semana que vem, quando a aula voltar, os alunos vão apresentar o resultado desse trabalho”, comenta a supervisora pedagógica da escola, Eliane de Souza.
Uma campeã entre os alojados
Entre os estudantes alojados na escola, está uma das damas do xadrez, Ayana Hama. A aluna da Escola Estadual Geralda Eugênia da Silva, em São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, participa pelo quarto ano dos Jemg. Em 2010, ela foi a campeã no módulo I, destinado a estudantes de 12 a 14 anos. Agora, no módulo II, 15 a 17 anos, Ayana mantem a expectativa de bom desempenho. “Treinei um pouco jogando em casa com meus irmãos, mas têm várias outras pessoas preparadas. Vamos ver o que vai dar”, analisa a estudante.
Se depender da professora o bicampeonato já é garantia. “Ontem fomos a um supermercado e ela me perguntou por que eu estava comprando muitas balas. Então disse a ela, que era necessário, pois vê-la jogando me deixa aflita. Fico nervosa, mas se que ela vai bem”, admite a professora de Educação Física, Eunice Cordeiro.
No ano passado, com a premiação nos Jemg, Ayana Hama, teve a oportunidade de disputar os jogos escolares na fase nacional. A estudante ficou na sexta colocação entre os alunos brasileiro

Durante os dias de realização dos Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg), as mais de 190 pessoas alojadas, entre atletas, comissão técnica e acompanhantes, na Escola Estadual Mercedes Nery Machado, em Juiz de Fora, Zona da Mata, vão ter a oportunidade de conhecer um pouco da cidade anfitriã da fase estadual da competição, além de escutarem música e desfrutar de outros momentos de descontração. Esse trabalho foi elaborado pelos alunos da escola dentro de um projeto voltado para os Jogos Escolares. “Nós mostramos a nossa escola, falamos um pouco da cidade e o que pode ser encontrado aqui. Também fizemos cartazes de boas vindas que estão espalhados por todo o prédio”, explica a estudante Ana Paula de Souza Motta, de 14 anos.

Alunos da EE Mercedes Nery Machado recepcional atletas dos Jemg. Foto: Hudson Menezes

Porém, a atenção aos atletas turistas não param por aí. Os dotes artísticos dos alunos da escola que serve de alojamento também serão apresentados para os atletas durante a semana. Entre as atrações culturais está a apresentação de violão de Rafael Gomes Martins de 14 anos. “Já toco violão a uns três anos e costumo me apresentar com minha banda de rock no festival de talentos da escola que acontece todos os anos. Agora é um público diferentes. São alunos de outras cidades, mas não fico com muita vergonha não, a não ser quando o público é muito grande”, admite o adolescente.

Rafael Gomes Martins vai tocar violão animar os estudantes competidores; Foto: Hudson Menezes

Durante o dia de realização dos jogos, os alunos da escola não terão aulas, mas receberam uma pesquisa para ser feita durante a semana das competições. “Pedimos que eles pesquisassem sobre as modalidades esportivas presentes nos Jemg. Na semana que vem, quando a aula voltar, os alunos vão apresentar o resultado desse trabalho”, comenta a supervisora pedagógica da escola, Eliane de Souza.

Ayana Hama volta em 2011 para disputar o bicampeonato. Foto: Hudson Menezes

Uma campeã entre os alojados

Entre os estudantes alojados na escola, está uma das damas do xadrez, Ayana Hama. A aluna da Escola Estadual Geralda Eugênia da Silva, em São Joaquim de Bicas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, participa pelo quarto ano dos Jemg. Em 2010, ela foi a campeã no módulo I, destinado a estudantes de 12 a 14 anos. Agora, no módulo II, 15 a 17 anos, Ayana mantem a expectativa de bom desempenho. “Treinei um pouco jogando em casa com meus irmãos, mas têm várias outras pessoas preparadas. Vamos ver o que vai dar”, analisa a estudante.

Se depender da professora o bicampeonato já é garantia. “Ontem fomos a um supermercado e ela me perguntou por que eu estava comprando muitas balas. Então disse a ela, que era necessário, pois vê-la jogando me deixa aflita. Fico nervosa, mas se que ela vai bem”, admite a professora de Educação Física, Eunice Cordeiro.

No ano passado, com a premiação nos Jemg, Ayana Hama, teve a oportunidade de disputar os jogos escolares na fase nacional. A estudante ficou na sexta colocação entre os alunos brasileiros.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 15:01

SEE|
Rod. Pref. Amrico Gianetti, s/n - B.: Serra Verde - BH/MG - Prdio Minas /11 Andar - CEP 31630-900 - Tel.: (31) 3916-7000
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades