Escola de Montes Claros se destaca em avaliações do Proeb

28/10/2011

A Escola Estadual Gonçalves Chaves, em Montes Claros, Região Norte do Estado, comemora os resultados no Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica (Proeb) 2010. O bom desempenho ocorreu entre os alunos do quinto ano do ensino fundamental. Em Matemática, a escola obteve a melhor avaliação do estado entre os alunos desse ano de ensino. A proficiência média na disciplina foi de 323,4 pontos. Em Língua Portuguesa, a escola também ficou entre as melhores avaliadas, com uma proficiência média de 299,5 pontos. Para as duas disciplinas, as médias estaduais foram de 235,1 e 217,1 pontos respectivamente.

 

 “Temos uma equipe de trabalho muito boa. Fico nas nuvens ao saber desse resultado. Ele som veio reforçar a certeza desse compromisso com a educação”, destaca a diretora da escola, Jaqueline Rodrigues Ruas Oliveira. Ela ainda destaca que está no ofício por vocação e que a coletividade é uma forte característica da escola que não mede esforços para o aprendizado dos alunos.  

Para acompanhar os estudantes com dificuldade no aprendizado, as turmas são organizadas no formato de reagrupamento temporário. “Os alunos com dificuldades participam de um reforço na segunda e terça-feira. Como a turma é menor, os professores podem se dedicar mais a eles. A partir da quarta-feira, os estudantes voltam para suas turmas de origem. Essa atenção vale para todas as disciplinas, inclusive Português e Matemática”, explica a diretora. O reagrupamento temporário ainda conta com monitores estagiários de cursos de Pedagogia de universidades do município. 

Com 1200 alunos de todos os anos do ensino fundamental, a escola desenvolve outros projetos na área da literatura. O trabalho em sala de aula procura despertar o interesse pela leitura e senso crítico dos alunos. “Em sala de aula procuramos trabalhar os diferentes tipos de textos, como poesias e cartas. Sobre cada um deles, os alunos desenvolvem atividades de interpretação oral, escrita e redação”, explica a supervisora, Soraya Rocha Melo. Para o reforço na Matemática, os alunos realizam visitas aos supermercados. Ao consultar o preço dos produtos, os alunos realizam as operações matemáticas.

Com os alunos dos anos iniciais do ensino fundamental, a escola procura desenvolver a compreensão global sobre um determinado texto por meio de cruzadinhas, labirinto e interpretação de desenhos. “Convidamos outras escolas da região para conhecerem o nosso trabalho”, lembra a diretora. Ela inda destaca que a escola teve o melhor desempenho da Superintendência Regional de Ensino de Montes Claros no último Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa) 2010. A avaliação é feita com os estudantes do terceiro ano do ensino fundamental. No exame os alunos são avaliados na leitura.

Contatos:
Escola Estadual Gonçalves Chaves: (38) 3221-3721
Diretora: Jaqueline Rodrigues Ruas Oliveira – (38) 8424-7803
Endereço: Praça Doutor João Alves, nº 14- Centro de Montes Claros.

Postado em: Uncategorized — hudsonmenezes @ 09:21

Plantar hoje para colher no futuro

Os alunos da Escola Estadual Mariana de Paiva, no município de Guidoval, estão vendo o resultado dos seus esforços florescerem. Há dois anos, os estudantes plantaram um pomar na escola e desde então acompanham o crescimento das árvores. Ao todo, foram plantadas 40 mudas de frutas variadas, entre elas goiaba, acerola, graviola e amora. Segundo o professor de Ciências, Marciano Quinelato, as árvores ainda não estão dando frutos, mas assim que estiverem grandes os frutos serão utilizados na merenda escolar. “A ideia é fazer suco com as frutas. Mas a escola também vai estar aberta para a comunidade e doará frutas para os moradores”.

O projeto teve início em 2009 e as mudas foram plantadas em comemoração ao dia da árvore.  As mudas foram doadas pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF) e profissionais do órgão deram palestras para os alunos. Este ano, a escola fez a manutenção do pomar com adubação e limpeza.  Na ocasião também foram plantadas novas mudas.

DSC08814

Estudantes plantaram as mudas e agora acompanham o desenvolvimento das plantas.Foto: Arquivo Escola

Segundo a estudante do 8º ano do ensino fundamental, Gabrieli Parreiras Soares, a atividade foi muito bacana e nela os alunos puderam aprimorar seus conhecimentos. “Na sala de aula, o professor deu uma aula sobre fotossíntese e sobre a importância das árvores para os solos e para o meio ambiente. Depois fomos plantar as mudas. Foi tudo muito legal”.

Já a aluna do 8º ano do ensino fundamental, Deusdalva Alice Silva de Oliveira, afirmou que vai acompanhar o desenvolvimento do pomar. “Vou acompanhar o crescimento das árvores. Se elas não derem frutos enquanto eu estiver estudando aqui, quando formar vou vir na escola para saber como o pomar está”.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 09:20

Escola de braços abertos para a comunidade

27/10/2011

A Escola Estadual Padre Antônio Vieira, no município de Santos Dumont, teve uma quinta-feira movimentada. Não se trata de um dia de provas ou avaliações bimestrais e sim de um dia de interação com a comunidade. Cerca de 800 pessoas se reuniram hoje no espaço da escola para aproveitar as ações de um dia que abordou o tema educação e valores. Entre as ações desenvolvidas, palestras, exames de diabetes e aferição de pressão, competições esportivas e até o lançamento de um livro de poesias feito pelos estudantes.

100_1367

Atividades esportivas envolveram estudantes. Foto: Arquivo da Escola

O evento faz parte do projeto Amigos da Escola, desenvolvido em parceria com a Rede Globo. Segundo o diretor da escola, Gerson Guedes Rabello, a escola já desenvolve vários trabalhos com parceiros e tem uma boa integração com a comunidade. “As portas da escola estão sempre abertas para a comunidade e os voluntários sempre participam de ações por aqui. É a fórmula para ter uma escola integrada com a comunidade”, explica.

Uma das ações que mais chamou a atenção, segundo o diretor, foram as competições esportivas. Um grupo de voluntários desenvolveu atividades de jiu-jitsu, xadrez, ping-pong, handboll e até badminton. “Um dos nossos voluntários incentiva a prática de badminton na escola. O intuito é fazer com que daqui saia um atleta para as olimpíadas do Rio de Janeiro”, afirma o diretor.

100_1357

Fanfarra da escola deu o tom do evento na escola. Foto: Arquivo da Escola

O lançamento dos livros faz parte de uma atividade das aulas de Língua Portuguesa. Os estudantes desenvolveram um livro de poesias e outro no qual contam as histórias do bairro. Os livros serão editados pela escola e distribuídos aos estudantes. A fanfarra da escola também fez sucesso no evento. Os 48 alunos que fazem parte do grupo se apresentaram com canções da MPB e deram o tom da festividade. O grupo existe há quatro anos.

Postado em: Escola é Manchete — guilhermebrasil @ 18:24

Escola apresenta os talentos de seus alunos para a comunidade

26/10/2011

No próximo sábado (29-10) os alunos da Escola Estadual Quintiliano Jardim, em Uberaba, vão ter um espaço garantido para apresentar seus talentos.  Por meio do projeto ‘Nossos valores, Nossos talentos’ cerca de 200 estudantes da escola irão apresentar seus dons artísticos para toda comunidade escolar. “O objetivo é mostrar o que a escola tem. Os alunos vão apresentar peças de teatro, música, entre outros”, conta o diretor da escola, José Ronan Borges. O projeto mobiliza toda comunidade. É um evento aberto, que conta com a participação dos estudantes e de seus pais.

Para não fazer feio no dia da festa, os ensaios começam, geralmente, um mês antes do evento. A aluna do 8º ano do ensino fundamental, Raissa Vitória dos Santos Abreu Lima, de 12 anos, participa do ‘Nossos valores, Nossos talentos’ há dois anos. Segundo a estudante os ensaios ficam mais intensos com a proximidade das apresentações. “Estamos ensaiando mais essa semana. Eu vou cantar e vou apresentar um número de dança”. Na apresentação de canto, a estudante contará com um auxilio especial. Ela irá cantar enquanto uma colega surda irá traduzir a canção por meio da Linguagem Brasileira de Sinais. “O projeto é bacana, porque inclui todo mundo. Estou mais nervosa para cantar do que para dançar”, revela.

DSC_8421

Apresentação irá movimentar cerca de 200 alunos. Foto: Arquivo Escola

O projeto acontece na escola desde 2009 e para este ano a escola promoveu um concurso que elegeu a logomarca do evento. “Nós recebemos cerca de 90 desenhos e os professores selecionaram os melhores”, afirma José Ronan Borges. Além da premiação do aluno vencedor do concurso, durante as apresentações serão realizados sorteios de brindes para os participantes.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 17:57

Contos de Fadas do século XXI

25/10/2011

Os contos de fadas não são mais os mesmos na Escola Estadual Antônio Atanásio, no distrito de Quintinos, no município de Carmo de Paranaíba. ‘Chapeuzinho Vermelho’ e ‘Branca de Neve’ foram alguns dos contos que foram ‘modernizados’ pelos alunos do 6º ano do ensino fundamental da escola. O trabalho começou no início do ano. “Primeiro os alunos conheceram todos os contos de fadas, fizeram o reconto e por fim escreveram suas próprias histórias”, conta a professora de Língua Portuguesa, Istela Pereira Caixeta Barcelos. Mas os ‘pequenos escritores’ tinham que seguir algumas regras. “Os alunos poderiam escrever as histórias como quisessem, mas tinham que manter os personagens do texto original”, completa.

Os textos dos alunos foram publicados no livro ‘Contos de Fadas Modernos’. A publicação traz 27 histórias, além das biografias dos ‘pequenos escritores’. O estudante Luiz Fernando de Oliveira Coelho foi autor da história ‘Deu a louca na Branca de Neve’, texto no qual a princesa tinha três anões, ao invés de sete, e quem morre ao comer a maçã envenenada é a Bruxa. Segundo o estudante sua inspiração veio dos muitos livros que leu. “Gosto muito de ler e de ver televisão. Foi desses lugares que tirei minha inspiração”.  Ainda de acordo com Luiz Fernando, a atividade serviu para treinar sua leitura e escrita.

Sem título

Livro traz textos que modernizam os contos de fadas. Foto: Arquivo Escola

Não foi só Luiz Fernando que deixou sua criatividade rolar solta, seu colega Pedro Mathias de Oliveira Silvano, escreveu uma história intitulada ‘Chapeuzinho Preto’. “Na minha história a Chapeuzinho lutava Karatê e entrou em um concurso para ganhar um prêmio e construir uma escola de Karatê para a vovozinha. No final ela venceu o lobo”.  O livro de contos modernos também traz textos sobre ‘O Argilóquio’, que seria um boneco igual o Pinóquio, mas feito de argila, e a ‘Chapeuzinho sem chapéu’, que teve seu chapéu roubado pelo lobo que trabalhava no sol e queria se proteger.

Para o lançamento do livro a escola promoveu uma noite de autógrafos e uma apresentação teatral, que também teve como foco os contos de fadas modernizados. O texto foi escrito por uma professora da escola e teve como título ‘Chapeuzinho Pink’, que ao invés de levar doces para a vovó, leva um “Notebook”, e um lobo que ao invés de comer a vovó, abre uma “Lan house”.

2

‘Chapeuzinho Pink’ leva um notebook para a vovozinha. Foto: Arquivo Escola

Os pais também participaram da festa. Eles apresentaram a peça ‘A bruxinha que era boa’. Segundo Istela ,o projeto envolveu a participação de todos os alunos e de toda a comunidade escolar. “Neste teatro o que mais chamou a atenção dos participantes, foi a presença de alguns alunos ‘tímidos’ e com um rendimento insatisfatório na leitura e escrita na sala de aula, mas que no teatro, demonstraram  suas habilidades e ajudaram muito”.

4

Pais participam da peça ‘A bruxinha que era boa’. Foto: Arquivo Escola

Além do livro, os estudantes, com o auxílio da professora de Artes, também criaram maquetes, que hoje são utilizadas pelos alunos do 1º e 2º ano do ensino médio na contação de histórias. Segundo o diretor, Paulo César Silvano, a ideia é expandir o projeto para os outros anos. “Na escola buscamos sempre trabalhar com o reconto. Nas turmas do 8º ano podemos trabalhar, por exemplo, com romances e no ensino médio trabalhar com as literaturas dos vestibulares”.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 15:22

Sob as luzes da ribalta… os estudantes

24/10/2011

Estudantes de escolas estaduais tiveram momentos de atores no Festival Estudantil de Teatro. Três apresentações teatrais que ocorreram entre o último sábado e esta segunda contaram com a presença de alunos de escolas estaduais. Hoje, o coletivo Teatro de Papel, que conta com vários integrantes da Escola Estadual Judith Gonçalves, de Itaúna, apresentam o espetáculo “O Último Por do Sol” e encerram a participação dos alunos no festival.

A peça “O Último Por do Sol” conta a história de Jacó e Maria e mostra a crueldade dos homens frente aos acontecimentos da atualidade, com o abandono de crianças recém-nascidas. Baseada em dois poemas do poeta e dramaturgo alemão Brecht, a peça está marcada para as 16 horas desta segunda-feira, no Teatro Marília, em Belo Horizonte.

Outra peça que esteve na programação do Festival foi a “Num Pacato Vilarejo”. Encenada pela Companhia De Teatro Pés Descalços, a peça conta a história de Manoel, que vê estranhas figuras na madrugada e acaba mudando a rotina dos moradores. A maioria dos integrantes do grupo estudam na Escola Estadual Lamartine de Freitas, de Congonhas, inclusive o diretor, Lucas Emanuel Silva Araújo, é estudante da escola. “Nós fazemos apresentações também na escola, que acaba sendo um bom espaço para o desenvolvimento do grupo”, conta. O grupo também vai se apresentar na inauguração da quadra da escola, prevista para novembro.

FETO 1

Estudantes contam uma história utilizando poucos objetos na peça “Um Pacato Vilarejo”. Foto: Arquivo

Durante a peça, que foi apresentada no domingo, no espaço Casa do Beco, os atores estudantes aproveitam todo o potencial dos poucos objetos que usam em cena. Um tecido, por exemplo, se transforma em vestido, mesa, cama e até em mar. A trilha sonora da peça é executada em violoncelo e flauta.

Na peça Atrás do Arco Íris, que foi apresentada no último sábado, um dos integrantes da Companhia Teatral Crepúsculo, responsável pelo espetáculo, é da Escola Estadual Dr. Lucas Monteiro Machado, de Belo Horizonte. A peça conta a história de Lili, que ao ganhar um livro mágico passa a viver várias aventuras.

Feto

O Festival Estudantil de Teatro acontece desde 1999, com peças em Belo Horizonte. Este ano, o Festival acontece até o dia 30 de outubro e conta, ao todo, com 19 espetáculos. Os ingressos são vendidos a preços populares e as bilheterias se abrem 60 minutos antes dos espetáculos. O Feto é uma realização da Associação No Ato Cultural e tem patrocínio da Cemig, através do Programa Cemig Cultural, realizado em parceria com a Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais.

Postado em: Escola é Manchete — guilhermebrasil @ 16:29

Em Semana Nacional da Ciência e Tecnologia, projeto de educação ambiental ganha destaque em escola de Coronel Fabriciano

21/10/2011

A conscientização e preservação ambiental ganharam destaque durante esta semana na Escola Estadual Rotildino Avelino, em Coronel Fabriciano – Região do Vale do Rio Doce. No período em que se comemora a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, os cerca de 650 alunos dos anos finais do ensino fundamental e ensino médio desenvolvem uma série de atividades sobre o tema. Entre leituras de textos, palestras, filmes e debates, os alunos e professores apresentam hoje, às 16 horas para a comunidade, o resultado de uma semana de ações.

Garrafas pet ganham novas funções em projeto da EE Rotildino Avelino. Foto: Arquivo da Escola

Garrafas pet ganham novas funções em projeto da EE Rotildino Avelino. Foto: Arquivo da Escola

Quem visitar a escola poderá ver em exemplos práticos, o resultado de uma pesquisa sobre fontes de energias alternativas. Os alunos criaram um aquecedor solar a partir de garrafas pet. A energia eólica foi representada com a utilização de cata ventos.  A alimentação também não foi esquecida e os estudantes criaram uma horta vertical feita com garrafas pet na escola, apresentada como uma alternativa para quem tem pouco espaço onde mora.

“Nossa escola já tem um trabalho voltado para a questão ambiental, há cerca de quatro anos. Temos um Grupo de Desenvolvimento Profissional (GDP), em que os professores realizam diversas ações dentro desta temática. O que fazemos aqui é orientar os nossos alunos para que eles possam transformar o espaço em que vivem, sempre respeitando o meio ambiente”, explica a professora de Geografia e coordenadora da Semana na escola, Videlma Júlia da Silva.

Maquete reproduz forma ideal do home se relacionar coma natureza. Foto: Arquivo da Escola

Maquete reproduz forma ideal do home se relacionar coma natureza. Foto: Arquivo da Escola

Os que não comparecerem à escola poderão acompanhar as ações do projeto em um blog criado pela escola. Para isto, basta acessar o endereço: http://rotildinoavelino.blogspot.com/. “Hoje, no dia da culminância, nós vamos apresentar outro blog criado pelos alunos. Trabalhar o meio ambiente é uma questão muito interessante. Sabemos que muitas das nossas ações de preservação vão trazer bons frutos à longo prazo, mas mesmo assim é importante que cada um faça a sua parte. Temos que deixar de pensar no local e pensar no global”, acredita a estudante do 2º ano do ensino médio, Iara Teixeira da Rocha.

Em semana que trabalha a educação ambiental, a escola cria sua horta vertical. Foto: Arquivo da Escola

Em semana que trabalha a educação ambiental, a escola cria sua horta vertical. Foto: Arquivo da Escola

Escola de ‘cara nova’

Outro campo de atuação dos alunos durante a realização do projeto é a revitalização do espaço físico da escola. Em mutirão, alunos e professores realizam a pintura das paredes, vasos de plantas e limpeza do local. “Minha turma fez um vídeo mostrando com a escola estava antes. O material será apresentado hoje durante a culminância do projeto. Daqui um mês, quando a gente acabar de realizar as mudanças, nós faremos outro vídeo mostrando como a escola ficou”, conta Iara Teixeira da Rocha.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 12:40

Pesquisa na escola, soluções para a sociedade

20/10/2011

O conhecimento adquirido pelos estudantes da Escola Estadual João Goulart Santiago Brum é um instrumento que mira a transformação na comunidade de Natércia, cidade de cinco mil habitantes pertencente à Superintendência Regional de Ensino de Itajubá. Os conteúdos dos livros são transformados em projetos que podem significar melhorias para os moradores. Participantes do projeto Empreender Ciência, que incentiva a investigação e pesquisa científica entre as escolas da SRE de Itajubá, um grupo de 10 alunos da escola apresentam hoje, no Parque de Exposições de Itajubá, o projeto Fértil: Adubo Orgânico, no qual pesquisaram formas de criar um adubo mais barato e eficiente para os produtores rurais da região.

brum 1

Estudantes na exposição do ano passado, com a ração que eles desenvolveram. Foto: Arquivo da Escola

A pesquisa apontou formas baratas de trabalhar com o processo de compostagem para a produção do adubo. Segundo Jonas Lopes de Vilas Boas, de 17 anos, que coordena a pesquisa entre os colegas, o grupo conversou com produtores rurais da região e até contou com a consultoria de um agrônomo para chegar a uma conclusão de como obter um adubo barato e bom. “Esse adubo seria muito interessante para a região, pois é acessível e simples de se produzir. Conversamos com um agrônomo e ele nos mostrou que no processo de compostagem a gente não tem que fazer quase nada, quem faz o trabalho são os microorganismos”, conta o estudante do 3º ano.

A iniciativa de fazer pesquisas de impacto na comunidade da região não é a primeira dos alunos da escola. Em 2010, eles conseguiram o 1º lugar do projeto Empreender Ciência com um trabalho semelhante. Com o SOS Ração, os jovens pesquisaram as principais formas de alimentação do gado na região e propuseram a criação de uma ração orgânica, nutritiva e barata. “Nossa região atua, essencialmente, no ramo agropecuário e nós buscamos criar uma ração que representasse uma oportunidade viável para os pequenos e médios produtores”, explica a orientadora educacional da escola, Maria Aparecida Lisboa Gallo.

Para elaborar o trabalho de pesquisa e definir quais seriam os melhores componentes para a ração os estudantes também fizeram pesquisas de campo com produtores e cooperativas e tiveram a consultoria de um zootecnista. Na receita final, a ração tinha apenas componentes facilmente encontrados na região, como palha de café, capim elefante, sal mineral, farelo de soja, milho moído e alho. “São componentes orgânicos e fáceis de encontrar. O capim elefante, por exemplo, é rico em matéria seca e ajuda o gado a ter energia, já o alho ajuda no combate a doenças”, explica Jonas Lopes de Vilas Boas, que participou dos dois projetos de pesquisa.

BRUM 2

Projeto foi feito de acordo com as características da cidade. Foto: Arquivo da Escola

Espaço da curiosidade

O trabalho desenvolvido na escola, além de propor soluções para a comunidade de Natércia, é uma chance para os estudantes aprenderem a trabalhar com a metodologia de pesquisa e ter contato com profissionais de diferentes áreas. Mas, para Jonas Vilas Boas, a maior satisfação é poder expandir os horizontes a partir do conteúdo dos livros. “Com o conhecimento que adquirimos na escola nas áreas de biologia e ciências fica mais fácil propor essas soluções e é uma forma interessante de aplicar”, explica o jovem. “A escola é um lugar do qual podem nascer várias soluções para a sociedade, porque os jovens recebem conhecimento diariamente, são curiosos e sempre estimulados a pensar em soluções”, completa o estudante.

Postado em: Escola é Manchete — guilhermebrasil @ 10:15

Conservatório de Música de Varginha recebe inscrições para cursos até o dia 28/10

19/10/2011

Quem tem interesse ou aptidão para a música tem uma boa oportunidade para investir nos estudos desta arte. O Conservatório Estadual de Música Marciliano Braga, em Varginha – Sul de Minas, recebe inscrições para seus cursos até o próximo dia 28. Os interessados devem se inscrever na secretaria do Conservatório, das 8h às 21 horas. Os testes para a seleção dos alunos que vão começar suas aulas no próximo ano ocorrerão entre os dias 16 e 18 de novembro.

A escola, que é mantida pela Secretaria de Estado de Educação, oferta os cursos técnicos de Instrumentos e Canto, ambos com duração de dois anos. Também são oferecidas aulas de violão, violino, violoncelo, flauta doce, flauta transversal, saxofone, clarineta, piano, teclado, contrabaixo acústico, contra baixo elétrico, guitarra, bateria, trombone e trompete.  Para esses instrumentos, o tempo de duração do curso varia conforme o desempenho do aluno.

Conservatório de Varginha recebe inscrições para cursos até o dia 28 de outubro. Foto: Conservatório de Varginha

Conservatório de Varginha recebe inscrições para cursos até o dia 28 de outubro. Foto: Conservatório de Varginha

 

O processo seletivo consta de prova de múltipla escolha, em que o candidato terá que responder questões referentes ao instrumento que escolheu para estudar. No caso dos cursos técnicos, os candidatos ao curso de Instrumentos farão prova de percepção musical e para os candidatos ao curso de Canto, a prova será a apresentação de uma peça no dia do teste. A peça é apresentada ao candidato no dia da inscrição.

Matrícula nos cursos

O resultado dos testes está previsto para sair no dia 1º de dezembro. As matrículas dos novos alunos ocorrerão entre os dias 1º e 19 de dezembro, com datas específicas para cada curso. A classificação dos excedentes sairá entre os dias 20 e 30 do mesmo mês. No caso dos cursos de Artes Plásticas, Artes Cênicas e Canto Coral, as matrículas serão realizadas entre os dias 9 e 13 de janeiro de 2012.

Outras informações podem ser obtidas pelo telefone: (35) 3221 – 1371.

Conservatório de Varginha

Atualmente, o Conservatório Estadual de Música Marciliano Braga atende cerca de 1.800 alunos, em três turnos. Entre os trabalhos de extensão que a escola realiza está o ‘Música nas Escolas’ em que se trabalha a arte com estudantes de escolas estaduais que participam do projeto Escola de Tempo Integral, que faz parte da Secretaria de Estado de Educação.

Postado em: Escola é Manchete — hudsonmenezes @ 13:38

Uma planta contra a Dengue

18/10/2011

Uma planta aromática que fornece matéria prima para a fabricação de repelentes contra mosquitos é a ‘arma’ utilizada pelos alunos da Escola Estadual Padre Alberto Fuger, na cidade de Campo Belo, para combater o mosquito da Dengue. A escola cultiva um viveiro de mudas de Citronela e utilizam a planta na fabricação de sachês e sprays.  “O aroma da Citronela espanta os mosquitos, principalmente o da Dengue. Por isso, escolhemos trabalhar com ela”, ressalta a coordenadora do Grupo de Desenvolvimento Profissional (GDP) Sal da Terra, Ana Santos. Os produtos foram apresentados para a comunidade escolar durante a Feira de Ciências.

O primeiro passo do projeto foi o plantio e o cultivo das mudinhas de Citronela, tudo feito pelos alunos da escola. A segunda etapa consistiu na confecção dos saches e dos sprays. “Nós íamos para a escola no contraturno das aulas para confeccionar os produtos. Fizemos em média 500 sachês e 200 sprays”, ressalta o aluno do 1º ano do ensino médio Henrique Lúcio Silva, 16 anos. Entre os objetivos do projeto está a conscientização da comunidade sobre a importância da planta no combate ao mosquito. “Estamos ajudando a cidade e diminuindo os focos dos mosquitos da dengue. Fazemos tudo de uma maneira fácil e simples”, completa Henrique.

Polivalente 040

Alunos aprendem a fazer sachês de Citronela para espantar mosquito da Dengue. Foto: Arquivo Escola

Segundo a professora de Química, Juliana Camilo, a confecção dos produtos são simples e a matéria prima é considerada uma ótimo repelente. “A escola tem muitas mudas de Citronela. Na confecção dos sachês precisamos retirar o extrato da planta. Já na confecção do spray temos que triturar a Citronela”. Ainda de acordo com a docente, os estudantes uniram teoria e pratica durante a confecção dos produtos. “Os utilizaram o conteúdo aprendido na sala de aula para a produção dos sachês e dos sprays”.

A ideia é expandir o projeto para toda cidade. “No município existem mosquitos de diferentes espécies e para diminuir a incidência a escola pretende plantar mudas de Citronela em diferentes pontos da cidade”, conclui Juliana.

Postado em: Escola é Manchete — geaninenogueira @ 17:51

SEE|
Rod. Pref. Amrico Gianetti, s/n - B.: Serra Verde - BH/MG - Prdio Minas /11 Andar - CEP 31630-900 - Tel.: (31) 3916-7000
Todos os direitos reservados - Aspectos legais e responsabilidades